segunda-feira, 15 de maio de 2017

O convite de Han Shan


Deste o primeiro passo no caminho de Han Shan?

A estrada de Han Shan não tem fim!
O desfiladeiro é longo: rochedos, rochedos
e mais rochedos erguem-se por todo o lado.
A torrente do rio é vasta, e os juncos 
quase ocultam a grande distância da outra margem.
O musgo é escorregadio, mesmo num dia sem chuva.
Os pinheiros cantam: o vento é suficientemente real.

Quem se apronta a num salto se libertar 
dos rastros do mundo e comigo se sentar 
entre alvas nuvens?





Han Shan (circa 700 - 780)







(Versão de Pedro Belo Clara a partir da tradução inglesa elaborada por J.P. Seaton, in "Cold Moutain Poems" - Shambhala Publications, 2013)








(O sorriso de Han Shan, o "Buda da Montanha Fria")



terça-feira, 2 de maio de 2017

CANÇÃO XIV


O rio e as suas ondas
são um só movimento.
Onde está a diferença
entre o rio e as suas ondas?

Quando a onda se ergue,
é água que se levanta;
quando a onda tomba,
é água que cai.

Amigo: onde reside
a diferença?

Só porque foi nomeada onda
deverá não mais
ser considerada água?

Dentro do Brahma (*) supremo,
os mundos contam-se
como as contas dum rosário.

Observa esse rosário
com olhos de sábio.





Kabir (1440 - 1518)




(Versão de Pedro Belo Clara a partir da tradução inglesa de Rabindranath Tagore - "Songs of Kabir", 1915).







(*) Brahma é o primeiro deus da sagrada trindade do hinduísmo, a Trimurti, seguido de Vishnu e Shiva. Originalmente dotado de cinco cabeças e oito braços, representa a força criadora do Universo. À semelhança da noção católica de "Deus", Brahma é visto como o "Criador" por excelência, senhor de todo o conhecimento. Uma das possíveis traduções do seu nome é a de "Realidade Última", embora sobre este tema as opiniões sejam bastante divergentes.
Iconograficamente é representado por quatro cabeças, uma por cada Veda (os livros sagrados do hinduísmo), e em quatro dos seus oito braços ampara um rosário (note-se a referência no poema) simbolizando o tempo, um recipiente com água, uma espécie de colher e os sagrados textos dos Vedas.
Apesar de num passado remoto ter gozado de uma enorme popularidade, com o dobrar dos séculos foi perdendo-a para as outras divindades da mesma trindade. Restam actualmente poucos templos em sua honra. O mais emblemático situa-se em Pushkar.








(Fonte: Smithsonian Ocean Portal)



quarta-feira, 19 de abril de 2017

Um de "Os cinquenta poemas do ladrão de amor"



Mesmo agora   se a visse de novo
A essa rapariga de olhos de lótus
O corpo soçobrando devido ao peso dos seios
Estreitá-la-ia entre os meus braços
E beberia da sua boca como um louco
Como uma abelha insaciável   sugando uma flor



Bilhana Kavi (séc. XI) (*)





(Versão de Jorge Sousa Braga a partir das traduções em línguas ocidentais da versão comum no norte da Índia, in "Os Cinquenta Poemas do Amor Furtivo (e outros poemas eróticos da Índia antiga)" - Assírio & Alvim, 2004)




(*) Trata-se de um poeta nascido em Caxemira, Índia, no século XI da nossa era, ao qual se atribui a autoria deste Caurapankasika, ou "Os cinquenta poemas do ladrão de amor", donde se retirou este que hoje aqui se partilha - o terceiro de cinquenta, conforme o organiza a versão portuguesa, dado que se trata, na verdade, da terceira estrofe de um só poema, composto por cinquenta estrofes. 
Segundo a lenda, o Rei Madanabhirama elegeu Bilhana como preceptor de sua filha, mas o relacionamento de ambos cedo escalou para algo de mais íntimo e intenso. Descoberto o crime, Bilhana foi encarcerado e condenado à morte por empalamento - embora neste ponto os relatos divirjam, pois em certas versões o poeta é condenado à forca e, noutras, ao exílio. Uma facção dessas histórias refere que a presente obra terá sido escrita em sânscrito na prisão, enquanto Bilhana aguardava o seu julgamento; outras, nitidamente carregadas de um maior fôlego poético, afirmam que as estrofes terão sido declamadas enquanto o poeta subia, um por um, os cinquenta degraus que o levariam ao cadafalso, compondo assim um poema (ou estrofe, como vimos) por degrau. Segundo esta versão, a beleza dos versos nascidos desse tão inspirado improviso era tal que a própria deusa Kali, uma manifestação da deusa Parvati, esposa de Shiva, intercedeu junto do Rei para que a condenação não fosse levada a cabo.
Independentemente do que terá realmente acontecido, já que a ausência de provas claras levou ao incremento de versões fantasiosas sobre o nascimento deste longo poema, a verdade é que o Caurapankasika é uma das obras mais populares da Índia antiga, preservada pela tradição oral, o que justifica os diversos manuscritos a respeito existentes, não só elaborados em diferentes línguas como com desenlaces distintos entre eles. 
Foi o primeiro trabalho literário de origem hindu a ser traduzido para uma língua europeia - no caso o francês, em 1848.











sexta-feira, 7 de abril de 2017

CANÇÃO XVII (excerto)


O mundo inteiro realiza as suas obras
e comete os seus erros,
mas poucos são os amantes
que conhecem o Amado.

O indagador devoto 
é aquele que em seu coração 
une o fluxo do amor e do desapego,
como se unem os rumos
do Ganges e do Jumna. (1)

No seu coração, a sacra água 
fluirá de dia e de noite.
E, assim, a sucessão 
de nascimentos e mortes
conhecerá o seu fim.





Kabir (1440 - 1518)



(Versão de Pedro Belo Clara a partir da versão inglesa de Rabindranath Tagore in "Songs of Kabir", 1915).





(1) Dois dos sete rios sagrados da Índia, sendo o Jumna, ou Yamuna, um afluente do famoso Ganges.









(Gravura de Samsara, a "Roda de Nascimentos e Mortes")





sexta-feira, 24 de março de 2017

LEMBRANDO A SINOS DOIRADOS


Arruinado e doente: um homem de duas medidas.
Bela e inocente: uma menina de três.
Não nasceu rapaz, mas ainda assim 
foi melhor do que não ter nenhum.
Para acalmar um sentimento incómodo,
de tempos a tempos um beijo era dado.

Então o dia surgiu. Subitamente levaram-na de mim.
A sombra da sua alma vagueou nem sei por onde.
E quando recordo a hora em que morreu,
e como balbuciava estranhos sons,
estando ainda a aprender a falar, 
lembro como os laços de sangue e carne
apenas nos ligam a uma imensidão
de dor e sofrimento.

Por fim, evocando o tempo
anterior ao seu nascimento,
pelo pensamento e pela razão
pude afastar de mim os lamentos.

Desde que o meu coração a esqueceu
muitos dias se passaram,
e por três vezes o inverno
se transformou em primavera.
Esta manhã, por um momento,
o velho pesar regressou,
ao na estrada encontrar
quem enferma a acolheu
e dela então cuidou.



Bai Juyi (774-846)






(Versão de Pedro Belo Clara a partir da tradução inglesa elaborada por Arthur Waley).







(Narcisos, os famosos "Sinos Doirados")




segunda-feira, 13 de março de 2017

SINOS DOIRADOS


Tenho uma filha de nome Sinos Doirados.
Já um ano se passou desde o seu nascimento.
Está a aprender a se sentar, 
e falar ainda não sabe.

Envergonho-me ao ver que não tenho 
o coração dum sábio;
não consigo resistir 
a pensamentos e a sentimentos vulgares.
Daqui em diante estarei preso 
a questões que me ultrapassam.
A única recompensa: o prazer que agora recebo.

Se for poupado à dor da sua morte prematura,
então terei a preocupação de a ver casada.
Os meus planos para regressar às colinas
quando a reforma começasse
ficam agora adiados por quinze anos.


Bai Juyi (774 - 846)



(Versão de Pedro Belo Clara a partir da tradução inglesa elaborada por Arthur Waley).










quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

ADEUS ÀS GENTES DE HANGZHOU


Anciãos e oficiais ladeiam a estrada do regresso;
jarros de vinho enfeitam a mesa da despedida.
Não governei esta gente com a sabedoria de Shao Kung (1);
porque razão tão céleres rolam as suas lágrimas?
Apliquei impostos pesados, considerando a pobreza geral;
os agricultores passaram fome, amiúde os campos secavam.
Tudo o que fiz foi represar as águas do lago (2)
e prestar um breve auxílio num ano de má memória.




Bai Juyi (772 - 846)





(Versão de Pedro Belo Clara a partir da tradução inglesa elaborada por Arthur Waley.)






(1) Shao Kung foi um líder lendário da China antiga que dispensava qualquer forma de justiça. Permanecia sentado à sombra de uma pereira selvagem, e assim governava os destinos do seu povo.

(2) O poeta foi quem mandou construir a represa do Lago Ocidental, ainda hoje existente e conhecida por "A represa de Bai". 
(Note-se que com as alterações na tradução do mandarim arcaico para as suas versões mais actuais, o nome de Bai Juyi passou a ser referido como Po Chu-I, sendo também verificável a mudança, obviamente, no nome dado à referida construção.)








(Pormenor da actual cidade de Hangzhou)